domingo, 26 de fevereiro de 2012

Dízimo é obrigação do cristão, mas deve ser entregue por Amor


Antes de qualquer consideração sobre a contribuição financeira para a obra de Deus, é importante ter em mente que quaisquer ofertas, dízimos ou outro tipo de contribuição devem ter como motivação o amor, e não a barganha. Muitos, geralmente com más intenções, têm coagido o povo de Deus a dar o que têm e o que não têm, mediante chantagem emocional.

Ofertar livremente ou contribuir com o dízimo (10% dos rendimentos) são práticas cristãs históricas, ligadas a mandamentos e a princípios contidos nos dois Testamentos (Ml 3.8-10; Mt 23.23; 2 Co 9.6-15). Mas elas são também voluntárias, e não compulsórias. Deus, como Supremo Arquiteto, criou o Tabernáculo, mas a obra-prima para as suas formação e feitura estava com o povo. Moisés não precisou propor desafios de semeadura, pois “veio todo homem, a quem o seu coração moveu, e todo aquele cujo espírito voluntariamente o impeliu, e trouxeram a oferta alçada ao SENHOR” (Êx 35.21).


Tudo o que temos, nesta vida, pertence ao Senhor (1 Co 4.7; Tg 1.17; Sl 24.1; Êx 13.2), inclusive o dinheiro (Ag 2.8,9). A Ele pertence não apenas 10% do que possuímos, e sim tudo (100%). Nesse caso, o Senhor permite que nós administremos o que nos tem dado, como bons despenseiros ou mordomos (1 Co 4.1; 6.19,20). E devemos destinar uma parte de nossa renda à sua obra. Uns dão mais, outros menos, conforme cada um se move, voluntariamente, “segundo propôs no seu coração” (2 Co 9.7).


Conquanto não devamos contribuir por obrigação, e sim espontaneamente (Êx 25.2; Ml 3.8-10), isso não quer dizer que tenhamos o direito de não contribuir com dízimos e ofertas para a obra do Senhor. A motivação da evangelização, por exemplo, deve ser o amor (Rm 10.1; Jd v.23). Ao mesmo tempo, ela é uma obrigação dos cristãos (1 Co 9.16; Ez 33.8). Quanto ao dízimo — que não é uma prática restrita ao Antigo Testamento, como muitos pensam —, deve ser entregue, a priori, por amor, em retribuição a tudo que temos recebido do Senhor. Mas temos, também, a obrigação, o dever, de contribuir para a obra do Senhor.


Alguns oponentes do dízimo alegam que ele se refere exclusivamente a Israel, haja vista o sustento aos levitas, que serviam no Templo. Segundo os tais, com a inauguração da Nova Aliança, depois do brado na cruz (Jo 19.30), o dízimo teria sido anulado juntamente com a lei mosaica (Hb 9.16,17). Ora, assim como no Templo, na Antiga Aliança, os levitas precisavam do dízimo e das ofertas alçadas para manterem o lugar de culto ao Senhor, os templos de hoje (e a obra de Deus, de maneira geral), a exemplo daquele, precisam de recursos para a sua manutenção.


De acordo com as Lições Bíblicas (CPAD) deste domingo, “Os que supõem estar a prática do dízimo restrita ao Antigo Testamento precisam entender que a natureza e os fundamentos do culto não mudaram. [...] O dízimo levítico pertencia à ordem de Arão, que era transitória. Todavia, o dízimo cristão pertence à ordem de Melquisedeque [...] Paulo faz referência ao dízimo levítico para extrair dele o princípio de que o obreiro é digno do seu salário (1 Co 9.9-14. Lv 6.16,26; Dt 18.1). Se o apóstolo não reconhecesse a legitimidade da prática do dízimo, jamais teria usado esses textos do Antigo Testamento”.


O Senhor Jesus inaugurou o tempo da graça (Jo 1.17), mas isso não significa que Ele “jogou fora” ou aboliu tudo o que foi dado a Moisés, nos tempos veterotestamentários. A obra vicária do Senhor foi eficaz no que tange a não mais dependermos da lei mosaica quanto à salvação da nossa alma, a qual se dá mediante a graça de Deus, pela fé (Ef 2.8-10; Tt 2.11). Entretanto, boa parte dos mandamentos dados a Moisés são atemporais e aplicam-se à Igreja do Senhor (cf. Mt 5-7).


Muitos defendem a total anulação do dízimo no tempo da graça, alegando que estamos libertos da lei mosaica. Mas quais são as implicações de sua observância quanto à salvação pela graça de Deus? É pecaminoso contribuir com 10% dos rendimentos para a obra do Senhor? O ato de entregar o dízimo na igreja local implica crer que a salvação é pelas obras, e não pela graça? É óbvio que não!


Outros alegam que o Novo Testamente fala muito pouco — quase nada — acerca do dízimo. De fato, não há muita ênfase direta ao dízimo nas páginas neotestamentárias. Por outro lado, não existe uma passagem sequer desaprovando essa forma de contribuição. Mas observe que o Senhor Jesus referiu-se ao dízimo como sendo um dever, ao dizer aos fariseus: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois que dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho e desprezais o mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer essas coisas e não omitir aquelas” (Mt 23.23).


O que está registrado em Mateus 23.23 já seria suficiente para nos fazer crer que a prática do dízimo é neotestamentária, apesar de os seus destinatários terem sido os fariseus. A passagem de Mateus 23.13-33 também apresenta princípios e mandamentos universais, aplicáveis à igreja hodierna. Por exemplo, no versículo 28 está escrito: “exteriormente pareceis justos aos homens, mas interiormente estais cheios de hipocrisia e iniquidade”. Não temos aqui o ensinamento de que não devemos ser hipócritas? Essa verdade aplica-se a todos.


Indubitavelmente, ao lermos Mateus 23.23, estamos diante de uma grande verdade para os dias atuais. Qual? A verdade de que devemos, ao contrário dos fariseus, ser justos, misericordiosos, bem como ter fé e contribuir para a obra de Deus, em retribuição a tudo que dEle temos recebido. Nesse caso, o dízimo, que é uma instituição para manutenção da obra de Deus, pode sim ser baseado na passagem em apreço e em outras correlatas (Hb 7.1-10 com Rm 4.11,12,16; Gl 3.9; Jo 8.39), inclusive as que não contenham, propriamente, a palavra “dízimo” (cf. At 4.32; 2 Co 8.1-9; 9.6ss; Fp 4.10-19).


Muitos argumentam que Jesus falou do dízimo antes da inauguração da Igreja e que os apóstolos nada falaram acerca dessa prática. Ora, há muitos mandamentos da parte de nosso Senhor que foram transmitidos antes de a Igreja ter sido inaugurada no dia de Pentecostes. Ou abriremos mão das grandes verdades contidas em passagens como Mateus 5 a 9 e João 14 a 17, em razão de o Senhor as ter apresentado antes de sua obra expiatória? Se não podemos receber como verdade neotestamentária o que o Senhor disse antes de a Igreja ter sido inaugurada (At 2), isto é, antes de sua morte e ressurreição, em quê a igreja de Atos dos Apóstolos baseava os seus ensinamentos?


O fato de um crente ser dizimista, em gratidão a Deus e pensando no bem da sua obra, não deve, de modo algum, ser confundido com a prática da barganha. Contribuir para a obra do Senhor não é buscar riquezas nem deixar de se acomodar às coisas humildes. Mas o Senhor, sem dúvida, abençoa a quem contribui generosamente para a sua obra (2 Co 9.6-15; Ml 3.8-10). E isso não deve ser confundido com a barganha da teologia da prosperidade, condenada pelas Escrituras (2 Pe 2.3; 2 Co 2.17).


No Novo Testamento, vemos que o princípio veterotestamentário de que o trabalhador é digno de seu alimento (ou salário) é aplicado aos servos do Senhor (Mt 10.10; Lc 10.7; 1 Co 9.7-14; 1 Tm 5.17,18). Por quê? Porque a graça não anula todos os princípios e mandamentos divinos contidos na lei mosaica. E o dízimo pode, perfeitamente, ser visto como uma prática atemporal, que visa à manutenção da obra de Deus pelos seus servos. Uma análise do assunto, sem preconceito, não deixa dúvidas quanto à atemporalidade do dízimo, que antecede o período da lei mosaica (Gn 14.20) e é mencionado no Novo Testamento, direta e indiretamente (Mt 23.23; Lc 11.42; Hb 7.4-10).


Graças a Deus, nem todos os crentes foram influenciados pela perigosa conduta de demonizar o dízimo, atrelando-o à tentativa de salvar-se pelas obras da lei. Caso contrário, algumas igrejas já teriam fechado as portas, haja vista ser tal prática necessária para a manutenção da obra do Senhor na terra, assim como o era nos tempos do Antigo Testamento (Ml 3.10).


Em Cristo,


Ciro Sanches Zibordi

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Descrição: Bíblia Manuscrita2Olá, Edivina Espinola Fernandes:

A Bíblia Manuscrita do Estado do Rio Grande do Norte já pode ser consultada na Internet


Lançado em 2008, o projeto Bíblia Manuscrita, da SBB, lançou um grande desafio aos brasileiros: Copiar todo o conteúdo das Escrituras Sagradas à mão, com o objetivo de produzir um exemplar completo por estado, além de um do Distrito Federal. Milhares de pessoas aceitaram a tarefa e relembraram a tradição secular, quando as Escrituras eram preservadas e transmitidas graças ao trabalho dos copistas. O resultado dessa empreitada pode ser conferido no site www.bibliamanuscrita.org.br

Alí, estão disponibilizadas, em formato digital, as nove primeiras edições concluídas: de Mato Grosso, Alagoas, Rio Grande do Norte, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Rondônia, Santa Catarina, Sergipe e Rio Grande do Sul. Além dos arquivos, podem ser consultadas as relações dos copistas modernos que participaram da edição.

1. A Bíblia pode ser consultada página por página. Basta acessar o link http://www.bibliamanuscrita.org.br/interna.asp?pg=copistas e clicar em RN no mapa do Brasil.
2. A Bíblia está distribuída em 8 volumes.
3. Todas as Fichas de Copistas encaminhadas à SBB foram digitadas e é possível consultar os copistas no link http://www.bibliamanuscrita.org.br/interna.asp?pg=copistas_rn
4. Pode acontecer de algum copista não constar nesta lista. Nesse caso, é só nos informar por e-mail ou telefone o nome do copista, sua cidade e o texto bíblico copiado, que nós faremos a inclusão no site da Bíblia Manuscrita.

Relembre a tradição de ler a Bíblia por meio de cópias manuscritas, consultando o site do projeto. Sem dúvida, uma experiência diferente e edificante.

DÍZIMOS E OFERTAS
Texto Áureo: II Co. 9.7 – Leitura Bíblica: Ml. 3.10, 11; II Co. 9.6-8

Pb. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

INTRODUÇÃO
Existe fundamento bíblico para o ensinamento dos dízimos e ofertas. Mas a Teologia da Ganância distorceu de tal modo essa doutrina que se faz necessário esclarecê-la a fim de evitar alguns abusos. Na aula de hoje estudaremos a respeito dos dízimos e ofertas, tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, e, ao final, avaliaremos a aplicação dessa prática para a igreja, atentando para as orientações bíblicas.

1. DÍZIMOS E OFERTAS NO ANTIGO TESTAMENTO
No Antigo Testamento existem diferentes palavras que se referem a dízimo. Asar – dez ou décima parte – se encontra em Gn. 28.22; Dt. 14.22; 26.12; I Sm. 8.15,17; Ne. 10.37,38. Maaser – também significa décima parte – pode ser encontrada em Gn. 14.20; Lv. 27.30-32; Nm. 18.24, 26; Dt. 12.6,11,17. A análise histórica do termo e da prática remete a um costume antigo, anterior à cultura judaica, muito antes da lei mosaica (Gn. 14.17-20). Nesse texto, nos deparamos com Abrãao apresentando a décima parte dos despojos de guerra a Melquisedeque. Posteriormente, Jacó faz um voto ao Senhor, pedindo que o abençoe, e, em retorno, promete entregar o dízimo de tudo o que viesse a possuir (Gn. 28.20-22). No tempo da Lei, colheitas, frutas e animais do rebanho deveriam ser dizimados (Lv. 27.30-32). Os dízimos eram entregues aos levitas (Nm. 18.21), esses gerenciavam os recursos (Lv. 14.22-27), beneficiando também os estrangeiros, órfãos e viúvas (Lv. 14.28,29). Os dízimos deveriam ser conduzidos a Jerusalém (Dt. 12.5-17). Em algumas ocasiões o povo judeu deixou de atentar para essa prática, como após o cativeiro, deixando de levar os dízimos à casa do tesouro, por isso, o Senhor conclama o povo a retornar a esse aspecto do Pacto, fazendo prova dEle, que responderia com bênçãos de prosperidade agrícola, e repreendendo o devorador (Ml. 3.10,11). As ofertas tinham um caráter mais específico no Antigo Testamento, poderiam ser requisitadas, com vistas a algum serviço (Ex. 36.4-6). Mesmo assim, ninguém era obrigado a trazê-las, pois se tratava de atitudes voluntárias - nadabah em hebraico (Lv. 7.1; Ed. 1.1-6; 7.16). As ofertas de paz - neder em hebraico - eram entregues como agradecimento por algum feito do Senhor (Lv. 7.11-12), bem como a dos votos – neder em hebraico (I Sm. 1.11,24).

2. DÍZIMOS E OFERTAS NO NOVO TESTAMENTO
Os defensores da Teologia da Ganância impõem, através de passagens isoladas do Antigo Testamento, que o dízimo deva ser obrigatório e que as pessoas devam dar muito mais do que isso, mesmo contra as suas possibilidades, para tanto, citam Lc. 21.1-4. No Novo Testamento o dízimo, dekatóo (Hb. 7.6,9), - apodekatóo – Mt. 23.23; Lc. 11.42; Hb. 7.5) em grego, não é um mandamento, mas um princípio a ser observado, já que cada um deve dar de acordo com sua prosperidade (I Co. 6.1,2). O voto pessoal de Jacó, que se encontra em Gn. 28.20-22 não pode ser generalizado, muito menos aplicado diretamente à igreja. No Novo Testamento a lei maior é a da generosidade, pautada pelo amor (Rm. 13.8). Os dízimos e ofertas devem ser entregues não como barganha ou mandamento, mas com amor, sobretudo em gratidão pela providência de Deus. Dar com alegria é um critério fundamental (II Co. 9.6,7), para tanto é preciso exercitar a liberalidade (I Co. 16.2), reconhecendo que não passamos de mordomos e que Deus é o dono de todas as coisas (I Co. 4.1,2). A partir dessa percepção bíblica, não é errado dizimar, tendo em vista que esse é um princípio orientado pelo Senhor, antes da Lei (Gn. 14.20), na Lei (Lv. 27.30), nos livros históricos (Ne. 12.44), poéticos (Pv. 3.9,10) e proféticos (Ml. 3.8-11). Lembremos que Jesus não se opôs à observância dos dízimos dos fariseus, mas sua mera exterioridade, sem levar em conta a justiça, misericórdia, fé e amor (Mt. 23.23; Lc. 11.32) Não precisamos mais fazer prova de Deus hoje, pois Ele já provou Seu amor para conosco (Rm. 5.8), por isso, em gratidão, devemos levar nossos dízimos e ofertas à igreja, certos de que ceifaremos bênçãos para a eternidade (II Co. 9.6; Lc. 6.38)

3. DÍZIMOS E OFERTAS NA IGREJA DE HOJE
A Teologia da Ganância tem deturpado a doutrina bíblica dos dízimos e ofertas. Seus mentores, interessados em fazer fortuna com o dinheiro dos fiéis, estão incentivando a barganha, utilizando indevidamente passagens bíblicas para justificarem a ostentação. Alguns deles não pedem apenas os dízimos, mas que as pessoas entreguem tudo o que têm, se aproveitando da ignorância das pessoas. Diferentemente do que esses propõem, a igreja deve instruir aos irmãos a serem generosos, a trazerem os dízimos e ofertas ao Senhor, não por medo de serem amaldiçoados ou rotulando de ladrões aqueles que não o fazem, mas a o fazerem com alegria e gratidão ao Senhor, reconhecendo Sua providência. Em uma sociedade que colocou o dinheiro acima de todos os valores, governada por Mamom (Mt. 6.24), muitos crentes se deixaram contaminar pela ideia de acumularem o máximo que podem. O maior investimento, no entanto, não é a bolsa de valores, mas o Reino de Deus, ganhando almas para Cristo (Lc. 16.9) e suprindo as necessidades dos domésticos na fé (Gl. 6.10). Os líderes da igreja precisam dar exemplo na administração dos dízimos e ofertas para não acontecer como nos tempos de Neemias (Ne. 12.1-5) e para servir de estímulo à contribuição (Ne. 12.44). Investir em pessoas, não apenas em coisas, deve ser o alvo primordial de toda igreja séria. De nada adianta ter templos vultosos, enquanto a maioria dos fiéis padecem necessidade. A igreja de Jerusalém nos deu exemplo ao demonstrar sensibilidade em relação aos mais pobres (At. 2.42). Os crentes também precisam estar atentar às carências pastorais, lembrando sempre que digno é o obreiro do seu salário (Mt. 10.10; Lc. 10.7; I Co. 9.7-14; I Tm. 5.17,18).

CONCLUSÃO
A doutrina dos dízimos e ofertas precisa ser sabiamente aplicada na igreja, evitando extremos, de um lado daqueles que se opõem totalmente a essa prática, do outro, os que extorquem os fiéis. O ensinamento sobre os dízimos e ofertas deve ser orientado à luz das Escrituras, sem coerção, avaliando os contextos das passagens do Antigo e do Novo Testamento. As aplicações devem considerar o principio bíblico da gratidão, que resulta em generosidade e liberalidade.

BIBLIOGRAFIA
KELLY, R. E. Should the church teach tithing? New York: WCP, 2000.
LIMA, P. C. Dizimista, eu? Rio de Janeiro: CPAD, 2001.

AS SETE CARTAS DO APOCALIPSE: LIÇÕES BÍBLICAS CPAD PARA O 2º TRIMESTRE/2012


IMAGEM: BLOG DA CASA DA BÍBLIA

Já temos as informações sobre o tema das Lições Bíblicas Jovens e Adultos do 2º trimestre/2012, que é “As Sete Cartas do Apocalipse: A Mensagem Final de Cristo à Igreja”.
O comentárista é o pastor Claudionor de Andrade.
Os temas semanais são:
Lição 1 – Apocalipse, a Revelação de Jesus Cristo;
Lição 2 – A Visão de Cristo Glorificado;
Lição 3 – Éfeso, a Igreja do Amor Esquecido;
Lição 4 – Esmirna, a Igreja Confessante e Mártir;
Lição 5 – Pérgamo, a Igreja Casada com o Mundo;
Lição 6 – Tiatira, a Igreja Tolerante;
Lição 7 – “Sardes, a Igreja Morta”;
Lição 8 – Filadélfia, a Igreja do Amor Perfeito;
Lição 9 – Laodiceia, uma Igreja Morna;
Lição 10 – O Governo do Anticristo;
Lição 11 – O Evangelho do Reino no Império do Mal;
Lição 12 – O Juízo Final;
Lição 13 – A Formosa Jerusalém.

Sugestões Bibliográficas:

- ANDRADE, Claudionor. Os sete castiçais de ouro. Rio de Janeiro: CPAD, 2012.
- KISTEMAKER, Simon. Apocalipse. São Paulo: Cultura Cristã, 2004.
- LAWSON, Steven J. As sete igrejas do apocalipse: o alerta final de Cristo para seu povo. 5. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2004.
- PENTECOST, J. D. Manual de Escatologia: uma análise detalhada dos eventos futuros. Estados Unidos: Vida, 1998.
- SILVA, Severino Pedro. Apocalipse: versículo por versículo. 11. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1996.
Fonte: Blog do Pr. Altair Germano



segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Novo local e data para a Assembléia Geral da IEADERN

 
 
Na últma sexta feira, dia 17 de fevereiro de 2012, o boletim semanal, orgão informativo e oficial da IEADERN, traz uma mudança em relação a assembléia geral extraordinára, onde seria apresentado o novo presidente Pr. Martim Alves da Silva.
O Pr. Israel Caldas, presidente em exercício, no uso de suas atribuições, decide mudar o local e data da assembleia geral extraordinária da IEADERN para apresentação do Pr. Martim Alves, presidente eleito na última assembléia de ministros.
Anteriormente o Pr. Israel Caldas, havia convocado a assembléia geral para o dia 02 de março do corrente ano e seria realizada no templo central da A.D. de Natal, porém, devido ao grande número de membros que desejam participar desse ato hitórico da nossa igreja e o templo central não comportar um número tão grande de pessoas em seu interior, houve uma mudança em relação ao local e data. 
A assembléia geral extraordinária da IEADERN, acontecerá no dia 10 de março de 2012, no ginásio poliesportivo Nélio Dias, zona norte de Natal, às 19:00h.
Será uma oportunidade única e imperdível onde receberemos o novo presidente da IEADERN Pr. Martim Alves da Silva.
 
Fonte: http://missionariolevi.blogspot.com/

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Coragem Jornalista fala no ar toda a verdade sobre o carnaval



Sem fantasiar: jornalista desabafa e mostra o que há por trás do carnaval
Ev.

- Por Marcos Melo -
O vídeo da jornalista paraibana Rachel Sheherazade, agora como âncora do SBT Brasil, está ganhando cada vez mais repercussão nas redes sociais, onde aparece expondo a realidade do carnaval sem muitas fantasias.
Sheherazade, de forma muito corajosa, expõe suas observações sobre o que habita por trás dessa festa cultural, trazendo o assunto à reflexão.
Assista ao vídeo e deixe sua opinião no espaço abaixo, reservado para comentários:

http://www.verdadegospel./
Fonte:

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Posse do Pastor Martin Alves será dia 17 de março


A grande festa da Igreja Assembléia de Deus no Rio Grande do Norte, para a posse do novo pastor presidente Martin Alves, é no dia 17 de março.

A definição da data aconteceu hoje pela manhã, em reunião comandada pelo presidente em exercício Israel Caldas.

FONTE:http://blogdoskarlack.blogspot.com/

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Pastor Martim Alves

Oração pelo novo Pastor Presidente da IEADERN, Martim Alves da Silva - 1...

Discurso do no Pastor Presidente da IEADERN, Martim Alves da Silva - 11 ...

O ASSEMBLEIANO: Com maioria de 68 votos Pr. Martim Alves da Silva ...

O ASSEMBLEIANO: Com maioria de 68 votos Pr. Martim Alves da Silva ...: “Mas graças a Deus que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo”. 1 Co 15.57 “Para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e...

Com maioria de 68 votos Pr. Martim Alves da Silva é eleito o novo Presidente da IEADERN

DSC02661_capa
“Mas graças a Deus que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo”. 1 Co 15.57“Para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu em ti; que também eles sejam um em nós”. Jo 17.21

O pastor Martim Alves da Silva é o novo presidente da Igreja Evangélica Assembleia de Deus no Estado do Rio Grande do Norte (IEADERN). O resultado do pleito, realizado no dia de hoje, 11, no templo sede da denominação, em Natal.
Favorito no pleito, o pastor Martim Alves obteve 190 votos, contra 122 do segundo colocado, o pastor Ivan Gonçalves de Oliveira, de Nova Cruz. Foram registrados ainda 5 votos nulos e 2 em branco.
A apresentação oficial do novo presidente da IEADERN está marcada para o dia 2 de março, durante Assembleia Ministerial realizada em Natal.
Pastor Martim Alves é evangélico desde 1960, integra o Ministério da IEADERN desde 1974. Pastoreou as Igrejas de São Gabriel da Cachoeira (AM) e no RN nas cidades de Equador, Santana do Matos, Serra do Mel e Mossoró (desde 1993).
ORAÇÃO PELO PRESIDENTE ELEITO DA IEADERN, PR. MARTIM ALVES DA SILVA:

DISCURSO DO PASTOR MARTIM ALVES DA SILVA, PRESIDENTE ELEITO DA IEADERN:

FOTOS:
*Fotografias: Pr. Alexandre Mendonça
m_DSC02605m_DSC02613m_DSC02614m_DSC02619m_DSC02620m_DSC02621m_DSC02625m_DSC02626m_DSC02629m_DSC02630
m_DSC02631m_DSC02632m_DSC02633m_DSC02634m_DSC02635m_DSC02637m_DSC02642m_DSC02643m_DSC02648m_DSC02649m_DSC02650m_DSC02651m_DSC02652m_DSC02653m_DSC02654m_DSC02656m_DSC02660m_DSC02661m_DSC02664m_DSC02667m_DSC02669m_DSC02670m_DSC02672m_DSC02673m_DSC02675m_DSC02676m_DSC02679m_DSC02680m_DSC02681m_DSC02685m_DSC02686m_DSC02687m_DSC02690m_DSC02691m_DSC02692m_DSC02693m_DSC02694m_DSC02695m_DSC02696 

FONTE: O ASSEMBLEIANO